Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ANTENA FLUMINENSE DE NOTÍCIAS

Notícias e atualidades

ISRAEL: COMO " CRESCEI E MULTIPLICAI-VOS" NUM ESPAÇO QUE CADA DIA FICA MAIS APERTADO?

por Cimberley Cáspio, em 28.09.15

Tova Cohen e Steven Scheer, - editado p/ Cimberley Cáspio

 Resultado de imagem para :Foto: explosão demográfica

 Imagem:ambientalistasemrede.wordpress.com

 

Tel Aviv - Reuters - A taxa de nascimento de Israel, a mais alta do mundo desenvolvido e uma vez visto como uma tática de sobrevivência em uma região hostil, poderá ser sua ruína, a menos que sejam tomadas medidas para inverter a tendência.

 

A mulher israelense  tem uma média de três bebês em sua vida, quase o dobro da taxa de fecundidade para o resto dos países industrializados no âmbito da OCDE. Que, acompanhado por imigração judaica pesando da antiga União Soviética, tem visto uma população dupla de Israel nos últimos 25 anos.

 

A taxa de natalidade é ainda maior entre a comunidade árabe de Israel e mais que o dobro entre os seus judeus ultra-ortodoxos, dois grupos que também têm baixa participação no mercado de trabalho, arrastando a economia para baixo.

 

População atual de 8,4 milhões está previsto para chegar a 15,6 milhões em 2059 e 20,6 milhões em um cenário de alto caso, ou seja, o pequeno país pode simplesmente ficar sem espaço.

 

"Israel está no caminho do desastre porque, como a densidade populacional aumenta, torna-se mais violenta, congestionada e desagradável para se viver, e com absolutamente nenhum espaço para qualquer outro ser humano", disse Alon Tal, professor  da Universidade Ben-Gurion de Pesquisas do Deserto e fundador do partido Movimento Verde.

 

Israel tem 352 pessoas por quilômetro quadrado, contra 215 em 1990, e prevista pelo Bureau Central de Estatísticas (CBS) para chegar a 501.880 em 2059.

 

Excluindo-se o deserto de Negev quase vazio, que ocupa mais da metade de Israel, a densidade populacional salta para 980 pessoas por quilômetro quadrado, apenas um pouco abaixo de Bangladesh.

 

Talvez mais preocupante, dizem os ativistas, é que não há nenhum discurso ou reconhecimento nacional que existe um problema. Pelo contrário, as políticas governamentais são voltadas para incentivar uma alta taxa de natalidade.

 

As razões são várias, desde o mandamento bíblico "Sede fecundos e multiplicai-vos" quanto para a morte de seis milhões de judeus no Holocausto, e o medo de ser superados em número pelos árabes.

 

HISTERIA

 

"Historicamente, a política demográfica israelita foi formada pela histeria em relação ao medo de uma aquisição demográfica árabe, alimentada pela retórica dos políticos", disse Tal.

 

O número de judeus na Terra Santa é agora praticamente igual ao número de palestinos - cada um em torno de 6,3 milhões.

 

No caso dos palestinos, que inclui 1.750.000 que são cidadãos israelenses e 4.550.000 na Faixa de Gaza, Cisjordânia e Jerusalém Oriental. Os territórios ocupados também são o lar de meio milhão de colonos judeus.

 

O crescimento da população palestina supera facilmente Israel, com a média das mulheres nos territórios palestinos que têm quatro filhos.

 

A política do governo israelense incentiva o crescimento da população com benefícios tais como abonos de família, educação gratuita a partir de três anos de idade e financiamento para até quatro tratamentos de fertilidade por ano.

 

Ele também oferece incentivos para judeus no exterior, e até mesmo aos emigrantes israelenses, mantendo ainda as medidas necessárias de quando Israel foi fundado em 1948, mas talvez menos crucial quanto o crescimento atual da população que continua aumentando.

 

"Prevemos não prever desastre, mas a forma de ver o precipício que está chegando à frente. E há um penhasco se não mudarmos nosso comportamento", disse à CBS o demógrafo Ari Paltiel.

 

Muitas vezes, uma população em rápido crescimento estimula a economia. Mas no caso de Israel o crescimento complica quando as taxas de emprego são baixas. Entre ambos os árabes israelenses e judeus ultra-ortodoxos, a participação da força de trabalho é de cerca de 40 %, muito inferior à de 61 % para os israelenses em geral.

 

No caso dos árabes israelenses, a figura é arrastada para baixo por mulheres, tradicionalmente encorajadas a não funcionar. Entre os judeus ultra-ortodoxos, ele é arrastado para baixo por homens, muitos dos quais se dedicam ao estudo religioso enquanto suas esposas têm empregos de baixa remuneração.

 

"Do ponto de vista econômico, a realidade atual não é viável", o presidente Reuven Rivlin disse em uma conferência recente.

 

Assaf Geva, economista sênior do Ministério das Finanças, assinala que por volta de 2059, as pessoas com idade acima de 65 anos vai fazer um aumento de 17 % da população de Israel em comparação com 10 % agora. Durante o mesmo período, o percentual de árabes na população vai crescer para 23%.

 

Sem ajustes, a elevação da idade de aposentadoria, aumentar as taxas de emprego árabes ultra-ortodoxos e outras medidas que o governo está buscando implementar, o peso da dívida vai saltar para 88 % do PIB até 2059.

 

Paltiel, do bureau de estatísticas, disse que Israel "irá à falência", a menos que os níveis de emprego e contribuições para fundos de segurança social sejam alterados.

 

O crescimento da população já criou escassez de recursos mais preciosos de Israel - terra e água - mas o governo está sempre à procura de uma solução fácil, disse Tammy Gannot, um advogado da União Israel de Defesa Ambiental.

 

Para aliviar uma crise de água, Israel tem investido bilhões de dólares em instalações de dessalinização, mas que consomem grandes quantidade de energia e terra.

 

Para lidar com a falta de habitação, o governo quer criar aprovação acelerada para licenças de construção que os críticos dizem que vai colocar de lado as preocupações ambientais, sem considerar as necessidades de infraestruturas e do espaço público, enquanto as autoridades deram sinal verde para 20.000 trabalhadores chineses atuarem no país para acelerar a construção.

 

SOLDADOS RUSSOS SE RECUSAM A IR PARA A SÍRIA E PODEM SER ACUSADOS DE ALTA TRAIÇÃO.

por Cimberley Cáspio, em 26.09.15

Por Cimberley Cáspio

 

Soldados russos estão se recusando a ir para a Síria, devido uma ilegalidade contratual, a qual, não há nenhuma ordem por escrito, e se acontecer sequestro ou morte por exemplo, a família ficará sem saber, e pior, também não vai receber nenhum benefício. Os soldados que estão se  recusando, podem ser acusados de alta traição, e estão reclusos em suas bases, sem poder fazer contato com suas famílias. O advogado que os defendem,argumenta que a mobilização é ilegal até que a ordem seja formalmente anunciada

 

A ordem para enviar soldados para zonas de guerra no exterior, deve ser dada por escrita, como também deve prevê garantias sociais aos militares e suas famílias, em caso de lesão,ou morte. Além disso, os médicos não podem anotar informações sobre a saúde dos militares, sem dar um aviso prévio aos soldados.

 

Se não houver nenhuma ordem oficial,não haverá registro oficial de soldados na Síria, o que significa que em caso de um sequestro ou morte, os membros da família não terão direito a qualquer dinheiro de seguro, ou apoio do Exército russo para receber qualquer benefício.Se forem sem uma ordem,não estarão lá.

 

Fonte: http://www.gazeta.ru/politics/2015/09/19_a_7765883.shtml

 

MOTORISTAS USAM ÓLEO DE COZINHA PARA ENCHER O TANQUE.

por Cimberley Cáspio, em 26.09.15

 

Por Pangea Today - reproduzido e editado / Cimberley Cáspio

 

A crise de interrupção do diesel desde a semana passada na Faixa de Gaza, finalmente, agravou a ampla demanda pública por veículos para o início da temporada de férias do Eid al-Adha,.

 

A crise levou os motoristas a usar óleo de cozinha para encher o "tanque", ignorando as terríveis consequências de ameaça de destruição dos motores de seus veículos.

 

No entanto, os motoristas em Gaza preferem não perderem seus meios de subsistência durante o Eid al-Adha, o que lhes dá um bom lucro, independente das reclamações de cidadãos referente a odores liberados pelo escapamento dos carros.

 

Proprietários de petróleo e gás Association confirmam que postos de gasolina em Gaza estão completamente desabastecidos devido à proibição de entrar na Faixa de Gaza há dez dias, e que continuará até o início de outubro.

 

Sendo assim, diante do aumento de tensão, e sem solução a curto e médio prazo, os motoristas continuarão obrigados a usar o óleo de fritura, para resolver a crise, apesar dos riscos, e seu impacto sobre os cidadãos.

 

 

DEPUTADOS E EMPRESÁRIOS UCRANIANOS SE MISTURAM AOS REFUGIADOS COM DESTINO A EUROPA.

por Cimberley Cáspio, em 26.09.15

Por Sputnik Brasil

 

 

    Imagem:acordeigrejadecristo.blogspot.com

 

Nem só os que sofreram das ações militares na Ucrânia tentam fugir para a Europa. Há habitantes de regiões bastante prósperas.

 

Segundo a agência de notícias ucraniana Vesti, os destinos mais populares entre os ucranianos são a Espanha, a Polônia e a República Tcheca, pois são países que tratam a Ucrânia com mais lealdade.

 

A razão principal para o asilo é a guerra na Ucrânia. No entanto, em muitos casos os ucranianos se beneficiam da situação militar para se deslocarem a Europa. Por exemplo, habitantes de Carcóvia e Lvov dizem estar fugindo da guerra, onde curiosamente não há ações militares. Mais do que isso, juridicamente a Ucrânia não está em estado de guerra – somente uma “operação antiterrorista” está sendo realizada, conforme Kiev. Para provar que eles sofreram com ações militares os ucranianos falsificam documentos e fotografias de casas destruídas.

 

Segundo a edição, até deputados e empresários tentam obter asilo. Por exemplo, um empresário descansava na Turquia ao mesmo tempo procurando se tornar refugiado.

 

Se isso acontece, então há que se levar muito a sério a infiltração de terroristas já no continente europeu e americano.

 

O GOVERNO QUANDO FRACASSA PÕE O POVO COMO BUCHA DE CANHÃO.

por Cimberley Cáspio, em 23.09.15

Por Cimberley Cáspio

 

Resultado de imagem para Foto: o fracasso de Galtiere

Imagem:floresdeumdeserto.blogspot.com

 

Quando o general argentino Leopoldo Galtiere empreendeu a malfadada invasão militar as Malvinas em 2 de abril de 1982, a inflação no país ultrapassava 150% ao ano. A economia estava aos frangalhos e o país borbulhava grande confusão pública através de sindicatos e insatisfação social em todo o continente. E no desespero do governo, a ideia de invadir as Malvinas, poderia ser uma válvula de escape para que à população esquecesse os problemas domésticos, e se caso, a empreitada resultasse em sucesso, quem sabe, haveria perpetuação no poder, e o presidente se consagraria um herói nacional.

 

E como a Venezuela passa por esse mesmo problema,com uma inflação de 250% ao ano,economia arruinada,e a bolha social à beira do estouro, Nicolás Maduro insanamente está seguindo essa mesma cartilha fracassada de Galtiere. Primeiro,procurando confusão com a Colômbia,depois com a Guiana, e em seguida com o Chile. O presidente venezuelano quer desesperadamente uma guerra para fazer com que à população esqueça os problemas domésticos. E está procurando problemas de forma acintosa.

 

A Colômbia até agora não aceitou a provocação, o Chile tem muito mais problemas a resolver com as consequências do terremoto sofrido recentemente do que alimentar o ego de permanência no poder de Nicolás Maduro, e a Guiana pode ser realmente a vítima do presidente venezuelano, o qual, já enviou forças militares para à fronteira. Nicolás Maduro quer uma guerra e vai tentar a todo custo, a fim de que à população da Venezuela esqueça realmente os problemas domésticos.

 

A questão é saber se o intento do governo venezuelano vai dar certo. Claro,sabemos que não. Galtiere que o diga, mas o preço a pagar poderá ser tão alto, ou mais até do que a Argentina pagou pela ousadia de provocar uma potência. A Guiana não é uma potência, mas tem amigos que tomarão partido se Maduro cometer também essa loucura.

 

Já no Brasil,o desespero do governo federal e estadual para também se perpetuar no poder, lança mão de opressão tributária e usa forças policiais para bater literalmente na população como aconteceu em Curitiba no final de abril, e  agora no Rio Grande do Sul. Como se dissesse,"vote em mim,e quando eu estiver no poder, vou literalmente te bater muito, muito, a ponto de doer bastante, e se essa dor não for suficiente, ainda sofrerá com toda opressão tributária que vou lhe  impor."

 

O governo brasileiro não quer guerra contra os vizinhos,mas já declarou guerra contra o seu povo.

GANA: JUDICIÁRIO DO PAÍS EXTRAPOLOU O LIMITE DA CORRUPÇÃO.

por Cimberley Cáspio, em 19.09.15

Por AccraReport-editado p/ Cimberley Cáspio

 

 

O Poder Judiciário nos países subdesenvolvidos,emergentes e até desenvolvidos, é foco frequente de incursão corruptora, se não for direta, é indireta, com permissão política para que seus membros possam receber salários de marajás a fim de que fiquem cegos e façam vista grossa aos diversos ilícitos praticados por diferentes autoridades e poderosos empresários de diversos setores.

 

Sendo assim, o Poder Judiciário em Gana, abusou e foi com muita sede ao pote, a ponto do escândalo  ir para o registro histórico do país como o  escândalo de suborno de maior gravidade em todo o continente africano, envolvendo 180 funcionários do Serviço Judiciário, os quais,foram flagrados em vídeo aceitando subornos e extorquindo dinheiro de litigantes.

 

Trinta e quatro dos culpados são juízes da Alta Corte e Tribunais Distritais. Alguns dos culpados também estão associados a escândalos sexuais, proveniente de uma investigação que durou dois anos sobre as práticas corruptas do Serviço Judiciário. O vídeo tem 3 horas de duração.

 

As informações são do Daily Graphic , num trabalho do jornalista investigativo, Anas Aremeyaw, que conduziu as investigações, e que está sob intensa pressão para não expor o vídeo como planejado.

 

Os que são contra a exibição do vídeo são da opinião de que ele vai constranger e paralisar o sistema judicial, enquanto aqueles que apoiam mantém à posição de que preferem eliminar os lotes ruins, e que sirva como um elemento dissuasor para quem pretende engajar-se em práticas corruptas na instituição.

 

Anas, desde então, apresentou uma petição ao Serviço Judiciário e está solicitando a destituição dos culpados, cujos nomes ainda serão divulgados . O jornalista e funcionários do Serviço Judiciário estão de boca fechada sobre o assunto, mas trechos de informação captados pelo Daily Graphic indicam que todos os funcionários afetados serão interditados, enquanto o Serviço Judiciário realizará à complementação de novas investigações.

 

Também emergiu que há imensa tensão na instituição de justiça do país africano, na sequência de rumores de que alguns juízes, que se sentaram em casos de alto perfil no passado, tenham sido identificados.

 

Cinco dos juízes disseram ter caído doente de repente. Outros estão articulando

com autoridades superiores para que se permita a que se demitam, em lugar de serem acusados.

 

Não está claro se os culpados serão punidos, mas uma alta fonte no Serviço Judiciário disse: "Nós temos recebido uma cópia da petição e  estamos olhando para a questão. O povo de Gana será atualizado com informações do processo em tempo oportuno. "

 

O Poder Judiciário  é visto como uma das instituições mais corruptas do estado, e apesar de um par de juízes e funcionários terem sidos interditados ou demitidos por atos ilícitos, este novo vídeo capta explicitamente juízes e funcionários judiciais extorquindo dinheiro e recebendo subornos.

 

Um casal de advogados, com quem o Daily Graphic falou, disse que também haviam reunido algumas informações sobre o escândalo. Falando sob condição de anonimato, disseram que a situação é extremamente grave, e expressou a esperança de que o fato abalará o sistema judicial do país. O público está animado sobre a preparação para a exibição do vídeo.

 

A mídia social está repleta de informações sobre o suposto escândalo, mas ainda não há nomes. Anas, em um encontro recente na mídia, deu indício da magnitude de suas últimas investigações.

 

A Iniciativa de Integridade Gana (GII), durante anos consecutivos citou o judiciário como uma das instituições mais corruptas do país. O Judiciário também tem estado no radar do Instiute de Assuntos Econômicos (IEA) .

INDÚSTRIA DO CONCURSO PASSA LONGE DA CRISE E NÃO TEME CORTES.

por Cimberley Cáspio, em 15.09.15

Por Agência Brasil

 

Imagem: votozero.blogspot.com

 

Uma das medidas anunciadas pelo governo para reduzir os gastos públicos em 2016 é a suspensão de concursos públicos. Pelos cálculos da equipe econômica, a medida vai resultar em economia de R$ 1,5 bilhão para os cofres federais. O governo ainda não detalhou a quantidade e quais concursos serão suspensos.

 

cursinho

 

O diretor e fundador do Grancursos Online, curso preparatório para concurso público, Gabriel Granjeiro, lembra que não é a primeira vez que o Executivo adota esse tipo de medida para cortar gastos e a tendência é que os concursos continuem ou apenas sejam adiados.

 

“A intenção do governo é mostrar austeridade para o mercado. Certamente esse corte não será tão profundo como foi anunciado, porque é impossível não fazer novos concursos. Até porque para superar a situação em que se encontra o Brasil precisará de servidores”, disse Granjeiro. "Por exemplo: como o governo, sem pessoal nem recursos para fiscalizar empresas, vai fazer caixa abrindo mão de contratar mais auditores fiscais do trabalho? Economizar dessa forma diminui também a capacidade de obtenção de recursos públicos", acrescentou.

 

Segundo o diretor, sempre que o governo passa por um momento econômico difícil ou de transição anuncia cortes desse tipo. “Em 2011, houve anúncio similar ao feito ontem (14). O que vimos é que esses cortes nunca são absolutos porque aparecerão urgências que obrigarão o governo a abrir exceções. É o caso do INSS [instituto Nacional do Seguro Social]. Sem novos funcionários ele entrará em colapso. Recentemente o IBGE [Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística] cancelou uma pesquisa por falta de servidores. Além disso, há 2 mil estagiários trabalhando em defensorias públicas, na tentativa de dar conta da demanda. Há muitos exemplos”, disse.

 

“Nossa expectativa é de que, a exemplo de 2011, os concursos sejam retomados meses depois do anúncio da suspensão. Naquele ano, 24 mil vagas foram preenchidas por concursos nos Três Poderes. E, em 2012, houve um grande boom de concursos. O mesmo ocorreu em anos anteriores, durante outros episódios de crise como as do governo Fernando Henrique Cardoso. Vimos o mesmo tipo de atitude: o governo segurou por um tempo [os concursos] e depois foi liberando aos poucos, com cautela, na medida em que as questões urgentes foram aparecendo”, lembrou o diretor.

 

Mudanças

 

Para suspender os concursos, o governo terá de encaminhar ao Congresso mudanças nos projetos de Lei de Diretrizes Orçamentárias e de Lei Orçamentária Anual, que estão em tramitação no Congresso. A diretora executiva da Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (Anpac), advogada Maria Thereza Sombra, disse que a medida deve enfrentar resistência dos parlamentares. “Primeiro, vai ter que enviar para a Câmara, que vai mudar a proposta orçamentária que tinha sido aprovada para este ano”, destacou. Segundo a diretora executiva da Anpac, o projeto atual prevê um número de vagas para concurso público e, com isso, o tema terá de ser rediscutido no Legislativo.

 

De acordo com a diretora, o governo deveria cortar pela metade o número de cargos de confiança na administração pública e extinguir os terceirizados, em vez de suspender os concursos. Maria Thereza Sombra lembra que alguns órgãos do governo federal, como Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Receita Federal, necessitam de novos servidores em seus quadros para não entrar em colapso e vão precisar fazer concursos.

 

Com o aumento do desemprego e a dificuldade em conquistar uma vaga na iniciativa privada, a busca pela estabilidade do serviço público cresceu, conforme a diretora, e não é o momento ideal para suspender os concursos. "Cresceu demais a procura por concurso público. É outro viés político”.

 

Números da Anpac mostram que as inscrições para concursos públicos nas três esferas de governo (federal, estadual e municipal) chegam de 10 a 12 milhões por ano. Só na área federal, que tem salários mais altos, as inscrições chegam a 6 milhões anualmente, informou Maria Thereza Sombra.

 

Legislativo e Judiciário

 

Segundo Gabriel Granjeiro, a medida do governo federal não deve afetar os concursos dos poderes Judiciário e Legislativo e ministérios públicos, que têm orçamento próprio e podem fazer suas seleções. “Eles até podem aderir ao que foi proposto pelo governo federal, se for o caso. No entanto, eles têm autonomia para decidir o que fazer. O Judiciário é o que oferece as carreiras mais atrativas em função das remunerações, e o Executivo é o que oferece vagas em maior quantidade. Mas o Judiciário até chega perto do Executivo [no que se refere a número de vagas], em função da alta rotatividade e das aposentadorias”.

 

Ele diz que o setor de concursos não tem sentido tanto os efeitos da crise. “Muito pelo contrário. Desde o início do ano identificamos aumento do interesse em nossos cursos. Em geral, a crise acaba beneficiando nosso setor, pela dificuldade das pessoas em entrar no setor privado, e por a progressão, dentro de uma empresa privada, demorar muito mais do que o tempo que se leva para se preparar e passar em um concurso”. A preparação para concursos é, segundo ele, de médio e longo prazo. “Mesmo que haja cortes em um primeiro momento, depois a tendência é que seja recuperado. Quem se mantiver estudando terá melhores condições de estar preparado”.

 

 

Edição: Carolina Pimentel

AS MÁSCARAS CAÍRAM E OS VERDADEIROS AUTORES DA TRAGÉDIA DAS TORRES GÊMEAS SÃO REVELADOS.

por Cimberley Cáspio, em 14.09.15

Por Fórum Anti Nova Ordem Mundial

 
 
Livro relata que o atentado terrorista de 9/11 foi executado pelo Mossad israelense e Dick Cheney

[Imagem: QZTq08s.jpg]


No livro a ex-funcionaria de companhias aéreas e hoje escritora investigativa, mostra como o mossad junto com falcões da casa branca realizaram a operação de bandeira falsa.

O livro Methodical Deception já se tornou um sucesso absoluto de vendas sendo o livro mais vendido do amazon.com .

O livro também traz imagens de estudantes israelenses (mossad) dentro do complexo plantando os explosivos que implodiram o prédio.

[Imagem: 2BFKkEu.png]


O livro pode ser encontrado a venda :

http://www.amazon.com/Methodical-Illusio...0982757131



CRISE ECONÔMICA GERA SURTO DE SUICÍDIOS EM PORTUGAL.

por Cimberley Cáspio, em 12.09.15

Por Catarina Gomes- editado p/ Cimberley Cáspio

 

Imagem:congregar.web317.kinghost.net

 

Há largos anos que as taxas mais altas de suicídio em Portugal surgem sobretudo associadas à região Sul do país, sobretudo ao Alentejo, mas um estudo recente, que analisa o fenômeno ao nível dos municípios, mostra que os suicídios aumentaram no centro e no interior Norte de Portugal junto à fronteira com Espanha. Os problemas estão acontecendo nas zonas rurais e nas áreas mais pobres.

 

Os autores do estudo científico Suicídio em Portugal: determinantes espaciais num contexto de crise econômica, que foi publicado na revista científica Health & Place no final de Agosto, analisa duas décadas de taxas de suicídios em Portugal, divididos em três períodos de tempo: 1989-1993, 1999-2003 e 2008-2012. Este último já inclui o período de crise, assinala o estudo que faz remontar o seu início a 2009.

 

A coordenadora do estudo, a geógrafa Paula Santana, nota que encontraram uma relação entre o suicídio e os municípios “com maiores graus de privação material e social”, medidos através do chamado “índice de privação material”. Este indicador junta a taxa de desemprego, a taxa de analfabetismo(percentagem de pessoas com mais de 10 anos que não sabem ler ou escrever) e más condições de habitabilidade (traduzidas na percentagem de casas sem banheiro). Ou seja, “independente ou além das características individuais de cada um, o local onde se vive pode influenciar atos de suicídio”, explica o artigo. Nos municípios com maiores níveis de privação o risco de suicídio é de mais 46% do que no grupo dos municípios mais afluentes.

 

O trabalho não estabelece uma relação causal entre a crise e o aumento dos suicídios mas não deixa de notar que, enquanto entre os dois primeiros períodos de tempo houve um decréscimo de 5,4% nos suicídios, a comparação entre o segundo período e o último dá conta de um acréscimo de 22,6%. “Os padrões recentes de suicídios podem resultar do atual período de crise”, escrevem os autores.

 

O que a crise pode ter trazido “é o agravamento destas condições nos municípios”, nota Paula Santana, investigadora do Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Coimbra. Refere-se, por exemplo, que uma das consequências da aplicação das medidas de austeridade foram os cortes nos apoios ao transporte de doentes para os hospitais.

 

Os dados mostram também que quem vive em zonas rurais tem maior risco de suicídio. O “índice de ruralidade” agrega a densidade populacional (numero de pessoas por km2), a acessibilidade a hospitais (tempo necessário para ter acesso a uma unidade), e a percentagem da população rural. Se é verdade que já era nos espaços rurais que havia mais suicídios nos dois primeiros períodos de tempo estudados, essa associação intensificou-se, sublinha a investigadora. “A investigação conclui que as padrões de suicídio Norte/Sul esbateram-se mas a divisão entre espaços urbanos e rurais intensificou-se”, o que é mais notório nos casos de suicídios de homens do que de mulheres.

 

O aumento do suicídio em zonas rurais pode ter vários fatores explicativos, entre eles “o isolamento social, o estigma em relação a perturbações mentais (especialmente nos homens), o fácil acesso a pesticidas tóxicos e dificuldades econômicas”. Ao mesmo tempo, refere-se que, com a crise, pode ter havido um aumento da dificuldade destas populações em ter acesso a antidepressivos e a serviços de saúde mental. Embora os autores também tenham constatado que nas zonas urbanas se encontraram “importantes bolsões de pobreza”, o que exige da autoridade pública abrir facilidade para um maior acesso aos serviços e redes de suporte social, tendo mesmo assim, as áreas urbanas resistido mais à crise do que as rurais.

 

“As características dos locais de residência têm um efeito relevante no comportamento suicidário a nível local”, escrevem os autores, que recomendam então “a alocação de recursos para os locais onde existe maior concentração de suicídios nestas áreas particulares do Portugal rural.

 

O interior alentejano continua a apresentar um risco muito alto de suicídio, mas nos mapas incluídos no trabalho nota-se que, de 2008 a 2012, os maiores aumentos das taxas maiores de suicídio incluem municípios rurais do distrito de Bragança junto a Espanha, assim como o interior e o centro do país.

 

O diretor do Programa Nacional para a Saúde Mental, o psiquiatra Álvaro Carvalho, constata que o estudo “mostra uma relação dos suicídios com a crise”. No diagnóstico precoce de situações de depressão, “em situação de crise não é com antidepressivos e psicoterapia que se resolvem os problemas, pode-se amenizar o desespero”. O médico sublinha que é “com medidas concretas que levem à redução do desemprego é que se pode alterar o estado de humor das pessoas. A solução não está na saúde mental, está na segurança social, no desenvolvimento de programas ativos de criação de trabalho”.

 

Fonte: Público-Comunicação SA / Portugal

IMIGRANTES: DEPOIS DE RECEBEREM SOLIDARIEDADE E HOSPITALIDADE, COSPEM NO PRATO QUE COMEM.

por Cimberley Cáspio, em 12.09.15

Por Pangea Today & Vanguardia - editado p/ Cimberley Cáspio

 

Foto:EFE

 

Em 2014 o governo do Uruguai ofereceu asilo a 42 famílias sírias , na esperança de proporcionar-lhes uma vida melhor. Os refugiados estão dizendo agora que a vida no Uruguai é muito cara, que lhes foi prometido algo diferente, e  não sendo como foi prometido, eles querem deixar o país.

 

As famílias sírias se reuniram do lado de fora do palácio presidencial para pedir que o governo permita o seu regresso ao Líbano.

 

"Aqui, não há futuro para nós. O plano de apoio do governo é apenas para dois anos e um já passou. Eu trabalho em um hospital, meu salário é muito baixo, 11.000 pesos (cerca de US $ 380). Eu tenho uma esposa e três filhos pequenos. Como é que eu vou viver quando a ajuda do governo chegar ao fim? " disse, Ibrahim Al Mohammed.

 

"Eu não quero dinheiro, eu não quero nada mais do que voltar para o Líbano ou a Síria. Nós vamos ficar aqui até que eles nos levem para o aeroporto ", disse outro refugiado, Maher Aldees.

 

O governo uruguaio respondeu dizendo que os refugiados estão passando por uma situação humanitária extrema e dolorosa, "e que é normal que, nesse contexto, há muita preocupação, desconforto, e angústia."

 

O Ministro das Relações Exteriores do Uruguai Rodolfo Nin Novoa também lamentou as críticas ao plano nacional para os refugiados, pouco antes de anunciar que o segundo grupo de refugiados sírios chegará em novembro ou dezembro.

 

As 47 famílias foram para Montevidéu depois de passarem 20 dias detidas no aeroporto de Istambul, onde seus papéis não foram aceitos. "Eu não quero ir para a Sérvia." Disse um dos refugiados.Ele queria a Turquia ou o Líbano. "Eu gastei $ 11.000 em passagens para ir e de novo, agora estou aqui". Visivelmente irritado, ele disse. "Nós dissemos que o Uruguai era outra coisa, eles mentiram para nós", acrescentou.

 

A família foi baseada no balneário de Piriápolis, a 100 quilômetros a leste de Montevidéu, em abril, e tinha sido denunciada por uma autoridade local por não enviar suas filhas à escola, uma situação que mais tarde foi resolvida pelas autoridades educativas.

 

Javier Miranda, Secretário de Direitos Humanos responsável pelo plano de ajuda aos sírios, disse à AP sobre o desconforto gerado com às famílias. "Eu entendo. Viver no Uruguai hoje é muito difícil e isso,claro, lhes dá uma tremenda insegurança. Mas o documento de viagem que os trouxeram ao Uruguai é um documento válido. O que não podemos fazer, e que está além de nosso alcance, é forçar  países terceiros a aceitá-los. "

 

Também Ashebli Ibrahim, um membro de outra família síria que protestava em frente ao palácio presidencial, estava chateado com o programa uruguaio. "Foi-nos dito muitas coisas que não foram cumpridas. Foi-nos dito que era um país muito barato,mas não é barato, e sim, caro, o dinheiro não é suficiente. Não há trabalho".

 

Ashebli chegou em Montevidéu a partir de Juan Lacaze, uma pequena cidade a cerca de 120 quilômetros a oeste da capital, onde eles foram instalados. "Dois dos meus irmãos fizeram comida para vender, mas lhes disse para não fazer mais, porque eles estavam doentes. Outra irmã faz depilação, mas tem apenas um cliente por semana", disse ele.

 

O funcionário do governo disse que "acreditamos que o plano e a recepção que estão tendo, seja decente. O Estado os apoiará por dois anos,depois iremos analisar e ver o que poderemos fazer. Que o Uruguai é um país caro, sim é verdade. É caro. E a ofertas de emprego para eles são as mesmas de acesso a maioria dos uruguaios. Está difícil para eles,tanto quanto também está difícil para a maioria do povo uruguaio."

 

Com malas, bolsas e uma mochila com as cores e o escudo do clube de futebol local Penarol, as famílias sírias ficaram instaladas na praça em forma de protesto. Vários já haviam implantados cobertores e colchas para instalar. As crianças brincavam e comiam cookies.

 

Aisha Mohammed, 18 anos, e que foi para o Uruguai com a mãe e quatro irmãos, disse que iria até sua casa para pegar um travesseiro, porque todos passariam a noite lá. A menina, que usava maquiagem e vestia uma cobertura para a cabeça, era a única que dizia que quer ficar no Uruguai. "Aqui eu tenho um namorado, amigos, não quero voltar para o Líbano", disse ela.

 

O grupo de 42 famílias de refugiados, chegaram no Uruguai, em outubro de 2014, num plano de ajuda promovida pelo presidente José Mujica (2010-2015).

 

O sucessor de Mujica, o presidente Tabaré Vazquez disse que " fará uma análise profunda" dos efeitos que teve sobre a chegada da sociedade síria, e vai decidir se deseja prosseguir com o projeto.

 

 

Nota do editor: Essa situação tem sido comum a vários imigrantes estabelecidos em diferentes países que os hospedam. Houve um caso de Palestinos na Venezuela que também reclamaram do país caribenho, e decidiram voltar a Palestina, retornando em definitivo ao Oriente Médio.

 

Eles querem uma boa situação de vida em terras estrangeiras,mas não é assim que a banda toca. Em alguns países,até para os nativos,a situação também não é boa. Mas se conseguiram escapar do pior, por que depois querer voltar ao vômito e ainda exigir do país hospedeiro que patrocine em 100% a viagem de volta? Aqui no Brasil,nas décadas de 40 e 50, muitos italianos,alemães e japoneses,se estabeleceram no sul,comeram o pão que o diabo amassou, e mesmo com saudades da terra natal,não arredaram pé do quinhão brasileiro e deram a volta por cima.

 

Agora só resta aos haitianos,africanos e outros imigrantes instalados aqui no país, mais tarde se queixarem de que não estão sendo bem tratados e exigir do governo brasileiro que os levem de volta as suas terras malditas.

 

 Se vai pra casa dos outros,recebem solidariedade e hospitalide,e depois cospem no prato que comem, então que fiquem em suas terras imundas e comam da lama que os devoram.

Pág. 1/2