Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ANTENA FLUMINENSE DE NOTÍCIAS

Notícias e atualidades

3200 SOLDADOS AMERICANOS A CAMINHO DO PERU, COM ARMAMENTOS, NAVIOS E AVIÕES.

por Cimberley Cáspio, em 20.08.15

Por Cimberley Cáspio

 

Resultado de imagem para Foto: soldados americanos na América do Sul

Imagem:planobrazil.com

 

Em meio à presença russa e chinesa na América Latina, os E.U.A enviarão 3200 militares ao Peru, com armamentos, navios e aviões, além de outros contingentes a Honduras, Guatemala, El Salvador e Belize.

 

A grande presença de chineses no Peru, os projetos faraônicos do Canal da Nicarágua, e a ferrovia transoceânica, além dos interesses dos banqueiros de Wall Street no que se refere a exploração de minérios,tanto na América Central, como na América do Sul, não incomodariam tanto se não fosse pela implantação da Estação Espacial chinesa na Patagônia, onde o governo chinês vem desenvolvendo a arma antissatélite, local que até às autoridades argentinas são proibidas de entrar.

 

Claro que essa proibição de acesso à base chinesa às autoridades argentinas, preocupa Washington, e considerando toda à região, como "propriedade estrangeira americana", o governo dos E.U.A não vão aceitar essa ousadia chinesa, fora do território chinês. E assim como fizeram com o Irã, vão querer acesso à Estação chinesa na Patagônia, com o argumento de sempre, "segurança nacional e proteção dos interesses americanos". 

 

O problema é que a China não é o Irã, e com mais de 3 milhões de soldados combatentes em suas forças armadas, é difícil acreditar que os E.U.A vão querer catucar essa onça com vara curta, e também com vara longa. É um jogo de persuasão, mas mesmo sendo um jogo persuasivo, só em pôr os pés no Peru, já é uma invasão de soberania.

 

Sendo assim, é importante que o governo brasileiro entre no jogo, e cubra às fronteiras também com armamentos e aviões. Se são capazes de invadir ousadamente à soberania peruana,por que não se acham capazes de fazer também com o Brasil? 

 

Para o próximo capítulo agora, é saber o que a Rússia e a China farão a respeito

 

Fonte: Sputnik Brasil.