Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ANTENA FLUMINENSE DE NOTÍCIAS

Notícias e atualidades

MERK : VACINAS E REMÉDIOS FRAUDADOS.

por Cimberley Cáspio, em 03.06.14

Por Por Mike Adams - editor da NaturalNews.com e Tony Isaacs - reproduzido e editado p/ Cimberley Cáspio

imagem:healthisinourhands.blogspot.com

 

Adulterações nos resultados dos testes de vacinas são mais comuns do que imaginamos.

 

 


Aviso: Não somos contra a teoria da inoculação. Nem contra a ciência. Somos contra a ciência fraudulenta, e é sobre isso todo este artigo. Sarampo e caxumba estão retornando de forma séria aos Estados Unidos, mas  médicos e jornalistas, todos fazem o mesmo erro crítico em entender o por que. Eles culpam os "pais que não vacinam seus filhos" como a causa, mas a real causa - como revelado pela denúncia de fraudes por cientistas que trabalham para os maiores fabricantes de vacinas - é que as vacinas contra sarampo e caxumba são projetadas para falhar desde o início. A fraude científica, ao que parece, é uma parte inerente da indústria de vacinas. Como sabemos? Porque denunciantes que trabalhavam na indústria tiveram a coragem de dizer a verdade. Essas pessoas são como Edward Snowdens da indústria da vacina.

 


Merck falsificou seus resultados da eficácia da vacina contra caxumba, dizem ex-funcionários.

 


A Merck conscientemente falsificou o resultado dos testes da vacina de caxumba para forjar uma "taxa de 95% de eficácia", dizem ex-virologistas do Merck, Stephen Krahling e Joan Wlochowski em seu chocante documento "False Claims Act".

 


Para isso, a Merck adulterou o teste de sangue com anticorpos de animais a fim de aumentar artificialmente o aparecimento de anticorpos no sistema imunitário.

 


O texto da denúncia do False Claims Act diz:

 



A Merck também adicionou anticorpos de animais às amostras de sangue para obter resultados mais favoráveis, embora soubesse que o sistema imunológico humano nunca produziria tais anticorpos, e que os anticorpos criados em um cenário de testes de laboratório "não corresponderiam de forma alguma, ou correlacionariam-se, ou representariam na vida real, ... com a neutralização do vírus em pessoas vacinadas", de acordo com a denúncia.

 


A Merck naturalmente nega as acusações, assim como todas as empresas farmacêuticas negam ter envolvimento em suborno, utilização de crianças em experiências médicas, estarem ligadas a estudos científicos de escritores fantasmas que são publicados em revistas científicas, conspirarem para suprimir a concorrência de medicamentos genéricos e assim por diante.

 


No entanto, como a história tem mostrado, todas as maiores empresas farmacêuticas estão rotineiramente envolvidas em comportamento criminoso generalizado, incluindo conspiração, fraude, suborno e muito mais.

 


Stephen Krahling e Joan Wlochowski estão simplesmente dizendo o que nós já suspeitávamos: que a Merck falsifica a eficácia das suas vacinas, afim de mostrar que elas estão aparentemente funcionando quando na verdade elas não estão. Por que uma empresa farmacêutica faz uma coisa dessas? Considere o fato de que a Merck tem tanto motivo quanto oportunidade.

 


Por que as empresas farmacêuticas projetam vacinas para falhar?

 


O dogma da vacinação é tão profundamente enraizado na mente dos médicos, jornalistas e do público, que se a qualquer momento uma doença transmissível começa a se espalhar, todos saltam imediatamente à falsa conclusão de que "são necessárias mais vacinas." Isso é quase uma reação nas mentes pavlovianas de lavagem cerebral das massas. "Propagação de doenças = falta de vacinas." Assim, a propagação da doença na verdade, aumenta as vendas de vacinas .

 


Epidemias são uma "ferramenta de marketing" para criar demanda para um produto rentável para que as pessoas possam ser convencidas a comprar repetidamente, ano após ano, funcionando ou não. E como você cria essa demanda? Você projeta uma epidemia, certificando-se que seus próprios produtos de vacinas não funcionam. O medo leva as pessoas a se vacinar, então o medo é usado como a principal ferramenta de marketing.

 


Mas por que esta enganação não foi exposta ainda? Por que os cientistas não anunciaram que a maioria das crianças afligidas com sarampo e caxumba são as mesmas crianças que foram vacinadas? Um estudo mostrou que 97 % das crianças que sofrem com caxumba já tinham sido vacinados contra a mesma. Em 2010, em um surto de caxumba que se espalhou em Nova Jersey, 77% das crianças doentes já haviam sido vacinadas contra a caxumba . O mesmo aconteceu com o sarampo. A maioria dos surtos de sarampo estenderam-se entre aqueles que foram vacinados contra o sarampo. Quando o "surto de gripe suína" varreu a Grã-Bretanha em 2010, verificou-se que 70% das pessoas infectadas já tinham sido vacinadas contra a gripe suína . Longe de proteger as pessoas de surtos de doenças, as vacinas muitas vezes promovem a pandemia que eles afirmam que iria evitar.

 


Quanto mais fundo você for na indústria das vacinas e sua antigas práticas de fraude científica, falsidade ideológica, imposição de terror e "falsas bandeiras médicas", mais você percebe a grande fraude que a indústria da vacina se tornou.

 

 

O laboratório Merck enfrentou uma série de ações judiciais, nos EUA, contra o seu antiinflamatório VIOXX, substância do grupo genericamente conhecido com Anti COX-2 (como Celebra® e Arcóxia®), por estar envolvida em número incerto de morte por dano cardíaco. Recentemente se descobriu que um dos principais “pesquisadores” que publicavam estudos a favor desse tipo de remédio, fraudou testes clínicos que forneciam dados utilizados em pelo menos 21 artigos de revisão entre 1996-2008.

 

 

 

Trata-se de um pesquisador do centro Médico Baystate de Massachusetts, Dr. Scott Reuben. Na mesma linha de fraude em pesquisa e informação, se descobriu que um importante executivo de uma empresa farmacêutica americana, fraudou a existência de um câncer em si mesmo para validar um produto de sua companhia (é o caso de Howward Richman, empresa Biopure, produto: Hemopure) a ser liberado pelo FDA, e angariar dinheiro de seus investidores. (naturalnews, 12/03/2009).

 

 

 

Cabe lembrar que outro anti-inflamatório não esteroide muito utilizado também está associado a problemas cardíacos: Ibuprofeno, o conhecido Alivium®, que aumenta o risco de ataque cardíaco entre 1,3 a 2,1 vez! (esse medicamento também está sendo implicado em problemas renais).

 

 

 

 


Fontes:  Vaccine fraud exposed: Measles and mumps making a huge comeback because vaccines are        designed to fail, say Merck virologists

 

- Merk False Claims Act (PDF)

 

AntiNovaOrdemMundial

Blog Medicina e Saúde (Dr.Carlos Bayna)