Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ANTENA FLUMINENSE DE NOTÍCIAS

Notícias e atualidades

O MAL DO CONSULTÓRIO MÉDICO.

por Cimberley Cáspio, em 27.03.14

Por Cimberley Cáspio

A maldade,a perversidade que ora vemos nos consultórios médicos e instituições de convênios particulares à pacientes com grave deficiência física,e com extrema dificuldade de locomoção,é de estarrecer a alma. E quando são atendidos,o espanto é ainda maior,pois a consulta não demora mais que alguns minutos,onde em alguns casos,o tempo no consultório,não leva mais que 5 minutos; tempo esse,em que o médico simplesmente diz o que ele acha,dá a sua opinião pessoal,ou profissional sobre o sintoma do paciente,passa receita e o manda de volta pra casa sem a mínima preocupação de uma averiguação real no problema do paciente,e sem pensar na via-crucis que passou o paciente junto com os seus parentes para sair de casa e chegar até aquele consultório.

 

Quer dizer,enquanto na casa do paciente,todo o preparativo levou horas para que a saída de casa acontecesse,como por exemplo,uma idosa de 83 anos, que usa fralda e usa cadeira de roda,onde os parentes se unem para banhá-la,vesti-la e depois introduzi-la no veículo particular que a levará ao médico,ao mesmo tempo em que um outro parente coloca a cadeira de roda no porta-mala; e assim que chegam a instituição conveniada,segue novamente toda uma nova formalidade,que é tirar a cadeira de roda ,levar até a porta em que a paciente sairá,retirá-la do veículo,sentá-la na cadeira e seguir até a recepção da instituição,que após satisfazer os trâmites burocráticos,ainda tem que pegar elevador para então chegar no andar onde então se localiza o consultório do deus,do rei,quer dizer,do médico; uma maldade.

 

O que citei,foi só um exemplo de centenas de casos parecidos. Uma trabalheira enorme pra se deslocar até o consultório médico,mesmo tendo algumas famílias, facilidade de transporte; e as famílias que tem dificuldades para arrumar o transporte que vai conduzir o paciente ? De qualquer forma,o sacrifício do paciente,independentemente da facilidade,ou não,do transporte,é o mesmo.E depois de tudo isso,não leva mais que 5 minutos com o médico no consultório,sem nem ao menos saber o por quê da origem do sintoma. E quando o médico pede os exames?Olha o aumento e a intensidade do problema! A família vai repetir todas as formalidades do preparatório do paciente,a dificuldade de entrada e saída no veículo de transporte...Várias e várias vezes,o quanto for necessário,até que se complete toda a bateria de exames pedida,e depois, se deslocarem até o confortável consultório médico para se saber exatamente o que será feito.

 

Em alguns casos, a execução e a intervenção médica no paciente chega a ser trágica, com morte do paciente até por negligência,e quando não morre,retorna para casa com graves sequelas,nunca mais sendo o paciente  a pessoa que era anteriormente,onde na verdade, poucos casos tem sucesso permanente,seja crianças,adultos e idosos,neste caso especial,com deficiência física e de locomoção. E estou me referindo a assistência médica particular,onde uma consulta,não sai por menos de R$ 100,00  , e mesmo conveniado,as prestações do convenio,são absurdas,o que torna inaceitável o atendimento a deficientes físicos sem que o setor de saúde que o atenderá,não faça por ele mesmo o transporte desse paciente  de casa para o médico e do médico para casa,se for o caso,aliviando da parte do paciente menos um item no menu de tanto sacrifício. Afinal de contas,as receitas advindas das marcações de consultas e prestações de convênios,são pra lá de significativas,à ponto de grande parte das instituições de convênios médicos,estarem na mira do Tribunal de Contas da União.

 

Sendo assim,diante do meu testemunho ocular às várias situações que presenciei,principalmente em relação aos deficientes físicos,o atendimento médico em consultório particular,fora dos hospitais e postos de saúde,deveria ser extinto por lei,o que em parte, provavelmente forçaria o médico voltar a atender o paciente em casa,nesses casos especiais,assim como era antigamente.