Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ANTENA FLUMINENSE DE NOTÍCIAS

Notícias e atualidades

"O MERCADO DE ESCRAVOS CONTINUA ATIVO E MUITO LUCRATIVO NO MUNDO."

por Cimberley Cáspio, em 22.05.15

Por Cimberley Cáspio


Foto:criança escrava,sequestrada na Guiné,e vendida para fazendeiros na Costa do Marfim.




O juiz egipcio Ahmed El-Zind, ao declarar "que juízes são mestres,e os outros são escravos",retrata muito bem o pensamento africano,de que a escravidão de seres humanos,ainda é um bom negócio. Mas sem pobreza e miséria,o negócio não acontece. 


Aqui no Brasil,a coisa também não é muito diferente,pois num caso recente, Conselho da Magistratura do Maranhão, ao investigar o  juiz Marcelo Baldochi, que foi titular da 4ª Vara Cível de Imperatriz, descobriu que em 2007, na sua fazenda, no interior do Maranhão, o magistrado mantinha 15 empregados negros trabalhando em regime de escravidão, por mais de 12 horas diárias. Um dos escravos conseguiu fugir e denunciou o juiz escravocrata. A polícia resgatou além dos 25 escravos outros 4 que também eram mantidos em regime de escravidão numa outra propriedade do juiz, que nunca foi condenado por essa barbárie. (http://portalafricas.com.br)


Sendo assim,não só a corrupção e violência,à imposição da escravidão a pobres,miseráveis e preto,principalmente,excita à classe dos "poderosos",e se não tiverem escravos em sua propriedade,de preferência pretos,fica até constrangedor se apresentar às elites.


Vida que segue,até agora a Nestlé,Cargill,e ADM,maiores compradores de grãos de cacau da Costa do Marfim,onde essas empresas tem até escritório,não deram uma nota sequer,frente à revelação de trabalho escravo infantil nas fazendas de cacau do país africano,fornecedoras de grãos às indústrias citadas acima,como relatado no documentário "The Dark Side of Chocolate" (O Lado Negro do Chocolate). As crianças encontradas nas fazendas pela INTERPOL,revelaram aos policiais,que as resgataram,que eram espancadas para manter à produção.


Infelizmente,o tráfico dessas crianças ainda continua no continente africano,como também o trabalho escravo infantil nessas fazendas. Cada criança escrava comprada aos traficantes pelos fazendeiros de cacau da Costa do Marfim,custa 250 euros.


Como a receita do turismo,é importante para o PIB da Costa do Marfim,o governo marfinense, finge que não vê,e joga um lençol por cima do problema. De repente,as fazendas até pertencem ao governo,os quais,mantém testas de ferro na propriedade.


Mas a escravidão não se refere somente a África,15 milhões de escravos são mantidos a ferro na Índia,em Bangladesh,principalmente na indústria da costura, mais de 2000 mil morreram em incêndio criminoso recente,em que os donos das fábricas,diante do fogo,fecharam às portas do lado de fora, e não permitiram a saída dos escravos,para que não houvesse denúncia. No Nepal,7 mil escravos. Também na China (indústria de eletrônicos),Inglaterra  “Children of the Cannabis Trade” , Bornéu,Sumatra,Tailândia, Europa (tráfico sexual,como retratado no filme "Busca Implacável"),São Paulo-Brasil (carvoarias,e indústria da costura,mantida com escravos bolivianos). 


O mercado de escravos continua ativo,e lucrativo no mundo. Na cabeça dos mercadores e proprietários,escravos não são gente,não são pessoas,são apenas produtos. E se algo for feito por governos para tirar essa gente da pobreza,ou extrema miséria, o mercado de escravos sofre um baque. Escravo é mercado,e resgate social é investimento público. Todavia,mercadores e proprietários escravocratas,preferem investir no lobby junto a governos, para manutenção do mercado de escravos,a enfrentar uma ascendência social,e ter que pagar direito trabalhista. 


Muitos governos na verdade,são escravocratas,e a demanda é grande no mundo.E haja freguesia. 


Fonte:,PANGEA HOJE -  http://hypescience.com/10-produtos-que-voce-compra-feitos-com-trabalho-escravo/


           http://www.comunique9.com.br/2014/02/o-lado-negro-do-chocolate-ao-redor-do.html#.VV86Q9JVikp