Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ANTENA FLUMINENSE DE NOTÍCIAS

Notícias e atualidades

TRAGÉDIA GREGA NOS ENSINA QUE LUGAR DE DINHEIRO É DEBAIXO DO COLCHÃO.

por Cimberley Cáspio, em 13.07.15

Por Cimberley Cáspio

 

 

Imagem:chebolas.blogspot.com

 

A Grécia nos lembrou a grande lição da vovó,lugar de dinheiro é debaixo do colchão. Com os bancos fechados há mais de duas semanas e sem prazo pra abrir, os gregos que ficaram no país,estão ralados. Sem dinheiro,sem moral, e segurando as calças nas mãos. A situação é de pobreza à caminho da miséria.


As melhores mentes gregas,se dignaram e já deram o fora do país,inteligentemente não quiseram pagar pra ver, o quê? O desbarrancamento do Olimpo. Tsipras provocou rachaduras na morada dos deuses e o  pior aconteceu, desceu todo mundo na avalanche de terra abaixo, Zeus,Thor,Hércules,Minerva, Mercúrio...Coisa jamais vista aos olhos gregos que duvidavam que tudo isso um dia poderia acontecer.Thor está até agora procurando o martelo,que deve estar debaixo de alguma camada de terra. 


A mitologia tão admirada pelo mundo acadêmico, se transformou num entulho nacional,como símbolo da traição de Tsipras. E se Zeus é Zeus, vai mandar Tsipras para as profundezas se encontrar com Hades, pois o que o político fez no país,abalou realmente a alma grega dos que necessitam de ajuda para sobreviverem o dia a dia,como aposentados e pensionistas,os que mais sofrerão. Sem contar o problemão que se manifesta no país,com a grande massa de imigrantes,além de outras ondas migratórias que não param de chegar nas prais gregas,advindas do continente africano.


E se os deuses do Olimpo são realmente espertos,vão vazar da Grécia, porque com banco fechado,fritura de imigração assando, e o povo sem dinheiro, é só o tempo para eclosão de uma grave convulsão social.


Em resumo, banco nunca foi,não é,e jamais será um lugar seguro pra confiar a guarda de valores. Quando você mais precisa,o governo,ou a justiça,se apoderam dos bens alheios,indiferentes das consequências que isso possa causar aqueles que mais precisam.